O vinho tcheco

Ze sklepa do sklepa (de bodega em bodega), como dizem os tchecos. É assim que muita gente viaja pela República Tcheca – tanto a população local, quanto quem vem de fora. É uma forma diferente de conhecer o país e as regiões que vão além de Praga. E há uma boa razão para isso.

No país europeu onde é consumida a maior quantidade de cerveja per capta por ano – mais especificamente, superando a quantidade de 140 litros de bebida por pessoa – é normal que quem viaja para a República Tcheca fique surpreendido com outra bebida muito típica e consumida no país e, ao mesmo tempo, pouco conhecida no resto do mundo: o vinho tcheco. Ele está presente na maioria dos cardápios de Praga, mas muitas vezes passa sem ser notado, já que realmente não é muito famoso no resto do mundo.

Apesar de Praga ser a cidade mais conhecida, turística e visitada da República Tcheca, para saber melhor da cultura e produção dos vinhos no país é necessário afastar-se um pouco da capital e da região da Boêmia (onde Praga está localizada) e viajar até a região da Morávia, o outro extremo do país, onde estão todos os vinhedos.

Um selo dos vinhos tchecos, pouco conhecidos fora da República Tcheca mas de alta qualidade.

O trajeto é muito bonito e agradável e quanto mais nos afastamos de Praga, mais a paisagem muda à nossa volta. É a aproximadamente 250 quilômetros ao sudoeste de Praga que encontramos essa região, que nos apresenta uma paisagem extremamente simples e rural, com muitos vinhedos e pequenos povoados pelo caminho. Devido às condições ideais de temperatura deste lugar, esta é a única região do país onde o vinho é realmente produzido (96% dos vinhedos estão na Morávia, enquanto apenas 4% encontram-se na Boêmia). É possível encontrar os vinhedos e os locais de produção por muitos lugares, mas as principais cidades são Mikulov, Slovácko, Velké Pavlovice e Znojmo. Sim, além da cerveja, a República Tcheca também é o país do vinho. A maioria das uvas cultivadas aqui são brancas e, portanto, mais de 70% do vinho produzido é branco e de dois tipos principais: Veltlínské Zelené (Grüner Veltliner) e Ryzlink Rýnský (Rhein Riesling).

A tradição de produzir e consumir vinhos já é bastante antiga e popular entre os tchecos de todas as partes do país e a cada ano são realizadas feiras e eventos para promover o consumo do vinho entre os cidadãos nacionais e visitantes. No entanto, ainda há um longo caminho a ser percorrido para que o vinho tcheco alcance a mesma popularidade que tem a cerveja do país, que está presente em quase todos os momentos da vida dos tchecos, diariamente.

As paisagens da Morávia, uma região mais rural do país e onde estão 96% dos vinhedos da República Tcheca.

A produção por aqui ainda é pequena, principalmente se comparada a outros países europeus que são grandes produtores de vinho, como por exemplo a França, a Espanha e a Itália, e por isso a taxa de exportação também é bem baixa. A boa notícia é que não há pressa para que este segredo seja descoberto por todos. A qualidade dos vinhos tchecos está aumentando a cada ano e, graças a isso, está cada vez mais fácil encontrá-los disponíveis em restaurantes e lojas do país, fazendo com que a cada taça os consumidores passem a considerar ir além de Praga na próxima viagem, convencidos de que a República Tcheca é também um país de vinho de muito boa qualidade.

No geral, os restaurantes do país costumam servir os vinhos tchecos e essa é uma boa oportunidade para prová-los. Além disso, nos meses de inverno há também a versão quente dos vinhos – branco e tinto (chamada svařák), vendida em bares, restaurantes, vinárna (um tipo de bar ou restaurante especializado em vinhos)  e nas feiras de rua e feiras de natal, sobre as quais eu escrevi em dezembro do ano passado. Em Praga também há feiras e festivais de vinho tcheco que acontecem todo ano – as datas variam.

Para quem vem visitar a República Tcheca e pretende ir à Morávia e à região dos vinhos, basta comprar uma passagem de trem ou ônibus desde Praga até Znojmo, que é um dos principais lugares da produção vinícola, além de ser uma cidade histórica e muito bonita. Há diversas opções de acomodação, restaurantes, visitas guidadas com degustação e passeios pelos vinhedos da região (incluindo outras cidades). Em qualquer parte do país também é possível comprar os vinhos tchecos em supermercados e lojas especializadas. Os preços são bem acessíveis e a qualidade é garantida em qualquer garrafa.

O cenário rural, com tudo “feito em casa” com muito cuidado, de estilo rústico e simples permite criar uma imagem de simplicidade, que realmente representa a realidade. Aqui não há sofisticação e a produção não tem pressa nem grandes objetivos. A quantidade de vinho produzido é proporcional capacidade de produção e da área disponível.  A diferença é que aqui, o vinho é mais uma paixão do que um negócio.

Esse texto foi originalmente publicado no blog Brasileiras pelo Mundo.

Anúncios

Um comentário sobre “O vinho tcheco

  1. Isadora, adorei o texto! Afinal, amo vinho. Na minha próxima ida à República Tcheca farei o percurso com vistas aos vinhedos, realmente devem ser belas paisagens. Sem contar que sempre apreciei os vinhos daí. Mais um motivo para voltar. Este país sempre surpreendendo! Beijossss

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s